Com o maior índice de reincidência desde o fim da antiga Febem, a Fundação Casa gasta atualmente mais de R$ 10 mil com cada adolescente internado no Estado de São Paulo. O valor exato é de R$ 10.357 reais por mês.

O dado foi obtido com exclusividade pelo repórter Pablo Fernandez, da BandNews FM, e mostra um aumento de 70% no custo de cada menor desde 2013.

Só para efeito de comparação, um aluno do ensino médio custa pouco mais de R$ 1.000 por mês e de um detento no sistema prisional quase R$ 1.500. Atualmente, a Fundação Casa abriga mais de 9 mil adolescentes – a maioria com idades entre 15 e 17 anos. Entre os internos, 96% são do sexo masculino e 80% deles cumprem medidas socioeducativas por tráfico ou roubo. Os latrocínios – o roubo seguido de morte – e os homicídios somam pouco menos de 4%.

Imagem: Junior Lago/UOL

A proposta é que a Fundação Casa seja uma instituição para a recuperação de menores, mas quem trabalha nas unidades não esconde o medo.

“Sempre trabalhei em casas difíceis, de reincidentes graves. Eu tenho tenho vários acidentes de trabalho. Já quebrei pé, já quebrei clavícula, já tomei pedrada, já tomei estocada de faca. Eu mesmo já fui agredido na rua”, declarou.

Entre janeiro e outubro, 241 agentes foram feridos por menores. Outro funcionário revela que o clima em algumas unidades é o mesmo de uma prisão.

“Se assemelha a um presídio em relação ao comportamento dos internos. Há influência de facções criminosas. Isso dificulta muito o atendimento. O sonho dos adolescentes é se tornarem membros da facção”, afirmou
.

Atualmente, um em cada cinco adolescentes é reincidente.O índice está perto de 22% dos internos. Entre eles, 45% foram apreendidos por tráfico de drogas e 40% por roubo.

Imagem: Junior Lago/UOL

Um educador que trabalha na Fundação Casa contesta os dados oficiais e aponta que o índice de reincidência é maior.
“A gente vê o número de meninos que retornam. E essa reincidência passa de 50%, com certeza”, disse
.

O secretário de Justiça e Cidadania de São Paulo e presidente da Fundação Casa, Márcio Elias Rosa, descarta qualquer alteração nos números. Sobre o custo de um menor, ele diz que o cálculo é equivocado.

“Na medida em que o Estado chama para si essa responsabilidade, ele acaba assumindo o ônus de garantir a vida, a saúde, a educação e a contenção do adolescente. Isso já custa mais dinheiro do adolescente livre. Por isso não dá para fazer a comparação entre um adolescente que frequenta um escola e outro que cumpre medida socioeducativa. Um está num regime de normalidade e o outro, de excepcionalidade”, afirmou o secretário.

Pelas regras do Estatuto da Criança e do Adolescente, o menor que deixa a entidade socioeducativa e comete um crime depois de completar 18 não é considerado reincidente.

4 COMENTÁRIOS

  1. A matéria, em sí, não identifica a fonte de tal informação. Ainda assim, caso seja verdadeira, causa espécie, não pelo alto gasto, mas pelo fato de, certamente, ser uma fonte de superfaturamento dos gastos e que deveria, a partir da manchete, servir de objeto de investigação por parte do MP. É impensável que um depósito de jovens possa custar incríveis R$ 10 mil per capita.

    • Caro Fabiano,

      A fonte da informação é a própria Fundação Casa. Os dados são oficiais.

      Um abração

  2. Sou ex-funcionário da fundação casa, trabalhei durante oito anos como agente socioeducativo. Foram várias rebeliões, já fui pego de refém, fui espancado, tenho algumas cicatrizes na cabeça, feitas por barra de ferro.
    Minha opinião como ex-funcionário, é que; quanto mais passar a mão na cabeça, mais a criança fica rebelde. O estado de São Paulo, dá aos menores infratores, uma atenção muito maior que dá aos funcionários, inclusive nos “direitos”. Dentro da fundação casa, os “foras da lei” pode tudo! Os “mocinhos” não podem nada, se achar que pode… Leva advertência, vai para corregedoria e se não tiver cuidado… Vai aumentar a estatística dos desempregados.
    No Brasil, temos outras instituições onde o custo de um menor infrator, é menos da metade, comparado com o da fundação casa e também quase não se ver passar na mídia, sobre rebeliões. Dou exemplo o Estado do Rio de Janeiro, onde o menor infrator tem pavor de ser preso, pois sabe que ninguém vai passar a mão na cabeça dele, ele não vai ter cinco refeições, igual tem em São Paulo, são vários regalias que o estado de São Paulo fornece para o menor infrator, que muitas vezes, acaba por estragar o trabalho dos agentes. Mas também, infelizmente… A maior parte das vezes, quem elabora as normas de disciplina, as regras, o regimento interno. São pessoas que nunca trabalharam em um pátio, no meio dos adolescentes, não sabe o que é um “confronto” nunca viram ” cadeiras voar” não sabe o que é chegar em casa e contar para a mulher que recebeu de um adolescente uma cuspida na cara.
    Esses que se dizem “profissionais”, que ficam o dia inteiro na frente da tela de um computador… São os que elaboram as “leis” da fundação casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome