Kailash Satyarthi, ganhador do Nobel da Paz em 2014

O ganhador do Nobel da Paz em 2014 afirma, em entrevista exclusiva à BandNews FM, que o mundo não será civilizado enquanto crianças forem escravizadas. O indiano Kailash Satyarthi abandonou a carreira de engenheiro para se dedicar ao que afirma ser a missão da vida dele: a luta contra a exploração infantil.

Ele esteve no Brasil nesta semana para um evento da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, em Brasília, e conversou com os apresentadores do BandNews FM Duas a Dois, Sandro Badaró e Gabriela Mayer.

Fundador do movimento Save the Childhood, o indiano de 65 anos já ajudou a libertar mais de 80 mil crianças no mundo, em meio a resistências e ataques. “Perdi colegas. Um foi morto a tiros e outro espancado até a morte. Meu escritório e minha casa foram atacados e incendiados. Eu mesmo fui atacado várias vezes. Então, tem sido uma luta dura”, disse ele.

Kailash Satyarthi afirma que é um erro falar em abolição da escravidão em um mundo no qual “crianças são vendidas como animais” e usadas como mão de obra barata. No Brasil, segundo o Unicef, 2,5 milhões de crianças trabalham; para o ativista, o País avançou na luta para erradicar o trabalho infantil, mas ainda precisa evoluir. “Se o Brasil tem 13 milhões de desempregados, porque o país pode permitir que quase 2,5 milhões de crianças trabalhem? Cada criança está trabalhando no lugar de um adulto”, afirmou.

O ganhador do Nobel da Paz junto com a paquistanesa Malala Yousafzai defende ainda que os líderes mundiais precisam aceitar que a juventude deve liderar o processo de mudança global. “Os jovens são a solução, e a única solução, para todos os problemas do mundo”, declarou.

Confira a entrevista na íntegra:

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome