O problema se repete em várias regiões do Brasil: falta água, sabão e álcool em gel nas periferias. As redes de solidariedade e os pedidos de doações têm garantido um abastecimento mínimo, mas ainda insuficiente nas favelas e áreas socialmente vulneráveis, como contou Sidney Silva, liderança do Coque, um dos maiores bairros periféricos de Recife, nesta entrevista à apresentadora do BandNews FM Duas a Dois, Gabriela Mayer. Ele relata que a adesão ao isolamento tem crescido, apesar das dificuldades das famílias que vivem em casas muito populosas. Sidney ainda diz que os carros de som, os carros carregando anúncios e os avisos de porta em porta são algumas das estratégias para reforçar a necessidade de ficar em casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome