O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, autoriza a divulgação do vídeo da reunião do dia 22 de abril no Palácio do Planalto.

O material está incluído no inquérito envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Sergio Moro na possível interferência política na Polícia Federal.

No vídeo, o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que não quer ser escravo do Brasil e que quer acabar com Brasília.

A declaração foi dada durante a reunião ministerial do dia 22 de abril, cuja gravação foi divulgada agora há pouco após a decisão do ministro do STF Celso de Mello.

Weintraub disse ainda que “botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF.” Ele afirmou que “a gente não está sendo duro o bastante contra os privilégios, com o tamanho do Estado.”

Após Abraham Weintraub classificar Brasília como um “cancro de corrupção e privilégio”, o presidente Jair Bolsonaro disse que, seguindo a linha do ministro, “o que os caras querem é a nossa liberdade”.

Bolsonaro disse ainda que “o bosta do Governador de São Paulo e o estrume do Rio de Janeiro, entre outros, querem aproveitar o vírus. Tem o bosta do prefeito de Manaus que está abrindo covas coletivas. Um bosta. Quem não conhece a história dele, procure conhecer.”

O presidente Jair Bolsonaro, durante a reunião ministerial do dia 22 de abril, disse que “é a putaria o tempo todo pra me atingir, mexendo com a minha família. Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira.”

Esse é o trecho considerado crucial para o inquérito envolvendo a possível interferência de Bolsonaro na Polícia Federal.
Em outro momento, o presidente Jair Bolsonaro afirma:
“Como é fácil impor uma ditadura no Brasil. Como é fácil. O povo tá dentro de casa. Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um prefeito faz um bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa. Se tivesse armado, ia pra rua. E se eu fosse ditador, né? Eu queria desarmar a população, como todos fizeram no passado quando queriam, antes de impor a sua respectiva ditadura. Aí, que é a demonstração nossa, eu peço ao Fernando e ao Moro que, por favor, assine essa portaria hoj e que eu quero dar um puta de um recado pra esses bosta! Por que que eu tô armando o povo? Porque eu não quero uma ditadura! E não da pra segurar mais! Não é? Não dá pra segurar mais.”

“A desgraça que vem pela frente, eu acho que o Paulo Guedes tá sendo até legal, hein Paulo Guedes? Eu não sou economista não. Vai ser uma porrada muito maior do que você possa imaginar. Não são apenas os informais. Eu acho que já bateu a dez milhões de carteira assinada, foi pro saco. E os governos estaduais não tem como pagar salário pros ca … não tem. Maio, metade dos estados não te .. . não vai ter como pagar salário mais. A desgraça tá aí. Eles vão querer empurrar essa … essa … essa trozoba pra cima da gente, esse pessoal aqui do lado vai querer empurrar, e a gente vai reagir porque aqui não é saco sem fundo. Tá? Então essa preocupação vamos ter. Paralelamente a isso tem aí OAB da vida, enchendo o saco do Supremo, pra abrir o processo de impeachment porque eu não apresentei meu … meu exame de … de … de vírus, essas frescurada toda, que todo mundo tem que tá ligado.”

3 COMENTÁRIOS

  1. Essa radio band news

    E contra o presidente pq querem mais dinheiro,, o presidente ta certo

  2. Não sei se o Givanildo Pereira está falando sério…. Mas se estiver, resume o vídeo e mostra o quão baixo são os apoiadores do Bolsonaro!

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome