Band News FM

Brasil

home > notícias > Brasil

13/04/2017 11:42

Lula e Dilma sabiam de todo o esquema de caixa dois do PT, diz ex-presidente da Odebrecht

O dono da empreiteira Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirma em depoimento ao Ministério Público Federal que os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff sabiam que a construtora repassava dinheiro para o PT por meio de caixa dois.

 

Os nomes dos dois foram citados nas delações de executivos e ex-executivos da companhia e as investigações foram repassadas a instâncias inferiores, uma vez que eles não possuem mais foro privilegiado.

 

O empresário explicou que ambos não tinham noção dos valores, mas estavam cientes da prática.

 

Procurada, a assessoria de imprensa da ex-presidente Dilma Rousseff não quis comentar as acusações. 

Já o Instituto Lula afirmou, em nota, que jamais solicitou ou recebeu qualquer recurso indevido da empreiteira e sempre agiu dentro da lei. 

 

 


  • Em outro trecho da delação premiada, Marcelo Odebrecht revela que disse em uma conversa à então presidente Dilma Rousseff ter dados suficientes para prejudicar o governo.

    Segundo ele, esse diálogo ocorreu durante uma viagem ao México, em 2015:

  • O empresário relatou ainda pagamentos ilegais em 2010 envolvendo um contrato da Petrobras para membros do PT - por meio do ex-tesoureiro do partido, João Vaccari Neto - e do PMDB, pedidos pelo ex-diretor da Odebrecht Márcio Faria.

    No áudio, ele ressalta que Dilma e a presidente da estatal na época, Graça Foster, foram alertadas sobre o pagamento:

  • Em outro depoimento, o patriarca da família Odebtrecht, Emílio Odebrecht, falou sobre a reforma do sítio em Atibaia, frequentado pelo ex-presidente Lula.

    Segundo ele, a obra custou 700 mil reais.

    O patriarca da Odebrecht diz que o sítio sempre foi tratado como se pertencesse a Lula e à ex-primeira-dama Marisa Letícia ainda no segundo mandato do ex-presidente

  • Outro executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar afirmou em depoimento que Frei Chico, irmão do ex-presidente Lula, recebeu mesada da empreiteira pelo período de 13 anos e que esses pagamentos chegavam a 5 mil reais por mês.
    Na planilha da empresa, Frei Chico era identificado como "Metralha":