O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que havia provas suficientes para pedir a prisão de Rodrigo Rocha Loures, solto neste final de semana pelo Supremo Tribunal Federal.

Durante a participação em um congresso, ele ainda disse que pretende seguir no mesmo ritmo até o dia 17 de setembro, quando termina o mandato na “PGR”; ele diz que “enquanto houver bambu, lá vai flecha”.

O

Segundo Janot, o vídeo feito pela Policia Federal que mostra o ex-parlamentar com uma mala de dinheiro foi suficiente para decretação da prisão pela Justiça.

Sobre a decisão do STF de soltar o ex-deputado, Rodrigo Janot disse que não está de acordo, mas respeita a determinação:

O procurador participou neste sábado de um evento promovido pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, a Abraji.

Em uma hora e meia de conversa, ele falou sobre a polêmica delação premiada dos irmãos Batista, criticada pelo recebimento de imunidade em troca de informações:

Sobre a sucessão na Procuradoria, Rodrigo Janot definiu como legítima a escolha de Raquel Dodge, que ficará em seu lugar em setembro.

Ela era a segunda colocada na lista enviada ao presidente Michel Temer e mesmo assim foi escolhida; Janot amenizou as divergências entre eles sobre delação premiada:

O procurador terminou sua participação no congresso dizendo que pretende aproveitar ao máximo o tempo que lhe resta no cargo:

Rodrigo Janot fica na Procuradoria Geral da República até 17 de setembro; em 18 de setembro assume a Procuradora Raquel Dodge – que antes de assumir o cargo ainda passará por sabatina no Senado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome