O jornalista Edgard Matsuki fundou o site Boatos.org, para desmentir histórias falsas que circulam pela internet, há cinco anos. Mas foi no último sábado que o recorde de acessos foi batido: ele e a equipe desmentiram sete notícias relacionadas à vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro – entre elas, a de que ela foi eleita pelo Comando Vermelho e de que foi casada com traficante Marcinho VP. “A gente nunca viu tantos boatos circularem relacionados a um só caso em termos de compartilhamento em redes sociais”, diz ele.

As fake news são tema de uma série de reportagens que a BandNews FM leva ao ar nesta semana. As histórias falsas, que se espalham sem controle desde que a internet foi criada, têm sido potencializadas pelas redes sociais. Parte da culpa é do famoso “algorítimo”: código que desvenda o perfil do usuário e faz com que ele tenha acesso a determinadas notícias. “Quando mais se curte ou se tem um feedback positivo daquela notícia, mais ela vai para a frente. Notícias falsas têm um ingrediente que tornam o assunto mais polêmico, e isso, por sua vez, gera mais curtidas e mais compartilhamentos”, diz o coordenador do curso de ciência de dados do Instituto de Direito Público de São Paulo, Alexandre Zavaglia Coelho.

Se no começo as fake news estavam mais relacionadas a “pegadinhas” de internet, hoje se sabe que elas podem ir muito além de brincadeiras de mau gosto. Em 2014, uma dona de casa foi espancada e morta por moradores do Guarujá, litoral de São Paulo, depois que um site divulgou a notícia de que ela sequestrava e usava crianças em rituais de magia negra. Nos Estados Unidos, o Congresso investiga se notícias mentirosas, como a de que Barack Obama era gay e muçulmano radical, ajudaram Donald Trump a vencer as últimas eleições. “A imprensa tem um papel extremamente importante para o combate das fake news”, diz a advogada especializada em direito eleitoral Karina Kufa.

Neste ano, o Brasil vai passar pela primeira eleição na era das fake news, e a lei prevê punições para quem propagar notícias falsas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome