Nesta terça-feira, mais de 15 viaturas da Polícia Federal estão nas ruas para cumprir mandados pedidos pelo Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro (RJ) em conjunto com o Conselho de Defesa Administrativa (Cade), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU).

A Receita Federal e a Polícia Federal realizam nesta manhã, a Operação Ressonância no Rio de Janeiro, na capital fluminense, em Niterói e Itaboraí. Os agentes também estão em São Paulo, onde a Polícia Federal cumpre 8 mandados de prisão. Entre os alvos estão os executivos Fredrik Knudsen, gerente de produtos da Philips, e Daurio Speranzini, CEO da GE.

O objetivo é investigar contratos feito pelo Estado do Rio de Janeiro e pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) Jamil Haddad na área da saúde. Os órgãos de controle como o Conselho de Defesa Administrativa (Cade), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU) identificaram um cartel de fornecedores que atuou entre os anos de 1996 e 2017.

Funcionários de confiança da empresa Oscar Iskin formavam o núcleo operacional da organização criminosa. A ligação entre o setor público e os empresários para direcionar os insumos médicos a serem adquiridos, cotação de preços fraudadas e as contratações, mediante a desclassificação ilícita de concorrentes, que não faziam parte do cartel, era feita por eles.

“Esses atos de ofício eram comprados com o pagamento de vantagens indevidas milionárias, as quais eram custeadas com base na arrecadação de valores com as empresas beneficiárias das licitações, seja por meio de pagamento de ‘comissões’ no exterior (correspondentes a cerca de 40% dos contratos), seja por meio do recolhimento no Brasil de valores entre 10% e 13% dos contratos firmados pelas empresas do cartel, estratégia que gerava um ‘grande caixa de propina’ administrado por Miguel Iskin de forma a retroalimentar o sistema e permitir a sua hegemonia no mercado da saúde pública durante décadas”, afirmam em petição os procuradores da República, integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

As licitações no Into e na Secretaria Estadual de Saúde eram controlados por Jair Vinnicius Ramos da Veiga, conhecido como Coronel Veiga. O esquema de corrupção continuou mesmo após mudanças nos cargos.

Os principais executivos de fabricantes multinacionais de equipamentos médicos atuavam no núcleo econômico. Com o pagamento de 13% dos contratos de comissão a Miguel Iskin, eles ajustavam as vitórias nas licitações.

Empresas participavam das licitações para dar uma aparência de legalidade, quando ganhavam o contrato, repassavam quase que o valor total das vendas como comissão para os grandes fabricantes. Para receber o dinheiro, uma rede complexa de lavagem de dinheiro, que utilizava empresas no Brasil e offshores em todo o mundo, foi criada. A fraude na Secretaria de Saúde funcionava de forma parecida e foi identificada em licitações realizadas diretamente,  como a que gerou os contratos de reforma e aquisição de equipamentos para a sede do Instituto Estadual do Cérebro (IEC).

Além de 13 ordens de prisão preventiva, e nove mandados de prisão temporária, válidos por cinco dias, existem buscas e apreensões em 44 locais. A 7ª Vara Federal Criminal também autorizou o bloqueio de bens dos investigados no valor de R$ 1,2 bilhão.

Foram determinadas as prisões temporárias de:
1. Luiz Sérgio Braga Rodrigues
2. Márcia de Andrade Oliveira Cunha Travassos
3. Albert Holzhacker
4. Frederik Knudsen
5. Daurio Speranzini Júnior
6. Ermano Marchetti Moraes
7. Julio Cezar Alvarez
8. Daniele Cristine Fazza da Veiga
9. André Luiz Loyelo Barcellos
Também foram decretadas as prisões preventivas de:
1. Miguel Iskin
2. Gustavo Estellita
3. Marco Antônio Guimarães Duarte de Almeida
4. Marcos Vinicius Guimarães Duarte de Almeida
5. Gaetano Signorini
6. Wlademir Rizzi
7. Adalberto Rizzi
8. Antônio Aparecido Georgete
9. Ivan Console Ireno
10. Jair Vinnicius Ramos da Veiga
11. Luis Carlos Moreno de Andrade
12. João Batista da Luz Júnior
13. Rafael dos Santos Magalhães

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome