(Foto: Reprodução)

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio cumprem 14 mandados de busca e apreensão na Operação Águas Claras, que investiga a dispensa de licitações com superfaturamento e possível pagamento de propina em contratos da Companhia Estadual de Águas e Esgotos.

Equipes estão na residência de ex-diretores da estatal, empresários e funcionários de empresas de engenharia que tinham contratos com a Cedae. Segundo o MP, Prefeituras do interior do estado também são investigadas no esquema.

Os investigadores acreditam que o pagamento de propina ocorria de três formas: benefícios como aluguéis de carros entre outros, uso de cartões corporativos e em alguns casos pagamentos em espécie.

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu comentário!
Por favor, informe seu nome