Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

São Paulo: BandNews FM exibe série de reportagens sobre os desafios das prefeituras de cidades da Grande SP

Saneamento básico é o tema do capítulo de hoje da série especial de reportagens da BandNews FM sobre os desafios para o próximo prefeito de São Paulo.

Na cidade mais rica do país, tem gente que perde tudo por causa de enchente.

Os gestores têm investido em projetos de ampliação de córregos e construção de reservatórios para tentar resolver isso.

Atualmente, sete córregos na capital paulista passam por obras de canalização e maioria está atrasada.

Construções que só são eficientes se integrarem um sistema completo de tratamento, na avaliação do engenheiro de recursos hídricos e professor da USP Eduardo Mario Mendiondo.

Do esgoto gerado na cidade de São Paulo, 26% não é tratado pela Sabesp.

E as populações mais vulneráveis são àquelas que vivem em locais onde a rede não chega, nas encostas dos córregos, por exemplo.

A capital paulista tem 482 áreas de riscos geológicos, segundo a Prefeitura.

Mudar essa realidade depende de uma força-tarefa conjunta de diferentes secretarias municipais, governo estadual e Poder Judiciário, na opinião do presidente do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos.

A insegurança hídrica ainda é uma realidade na cidade que tem um dos melhores índices de abastecimento de água do país, de 98%.

E vai continuar assim enquanto o plano municipal de saneamento não englobar as cidades do entorno, na avaliação do geógrafo e professor da USP Luis Antonio Bittar Venturi.

O estado tem sete mananciais, mas quase metade da Grande São Paulo é abastecida por apenas um deles: o Sistema Cantareira