Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Ofensiva de Trump pode custar caro ao Partido Republicano

Reprodução / WH

As reiteradas acusações sem provas do republicano Donald Trump de que “há fraudes” no processo eleitoral dos Estados Unidos faz com que o político perca apoio até mesmo entre os correligionários.

O ex-senador Rick Santorum, da Pensilvânia, afirmou ter ficado “muito angustiado” com o que ouviu o presidente afirmar; Chris Christie, ex-governador de Nova Jersey, disse que “simplesmente não havia base para apresentar esse argumento”.

Depois de perder diversas ações judiciais na tentativa de forçar uma anulação de votos, o Partido Republicano e até mesmo os advogados que assinam as ações podem ser punidos, por provocação da Justiça sem a apresentação de provas.

A professora de Direito Internacional Maristela Basso, da USP, compara com a recontagem de votos da Florida no Ano 2000, quando George Bush venceu Al Gore, e afirma que na ocasião havia um problema pontual nas cédulas, o que neste processo não aconteceu até agora.

“Não há uma prova documental. Há uma alegação contrária à legislação estadual eleitoral de onde as cédulas pelos Correios foram entregues antes do dia 3 de novembro. É uma tese que dificilmente será acolhida pelo Poder Judiciário americano. Muito diferente da tese de Bush, do ano 2000 (quado houve recontagem de votos na Flórida)”, compara.

Maristela Basso afirma que o partido e os advogados podem não estar dispostos a arcar com multas milionários impostas pela Justiça em casos de ações sem provas apresentadas de forma repetida.

“Pode ser presidente, pode ser quem for. Aquele que abusou do poder de litigar recebe uma punição financeira enorme do Judiciário. As indenizações punitivas, que os americanos chamam, que é tanto por ter agido quanto por ser litigante de má-fé. O advogado que atua nesses casos é punido nos Estados Unidos. Ele pode não só perder a licença de advogado na OAB local, ele vai pagar indenizações consideráveis. Tem advogados que, inclusive, quebram”, observa.

O historiador Sidney Ferreira Leite avalia que os integrantes do Partido Republicano já perceberam que a legenda foi reduzida à retórica de Donald Trump.

“O grande derrotado, do ponto de vista político, será o Partido Republicano que ficou nos últimos anos reduzido a essa liderança”, avalia.

Três emissoras interromperam a transmissão do discurso de Trump por causa das “acusações e afirmações falsas” em sequência.

O presidente disse “Se contarem” o que ele chama de votos ilegais é porque “eles roubaram as eleições”.

“Se você conta os votos ilegais eles podem tentar roubar as eleições de nós. Se você contar os votos que chegaram atrasados, estamos analisando-os com muita atenção, mas muitos votos chegaram atrasados. Eu já ganhei em vários estados decisivos com vitórias massivas, como Flórida, Iowa, Indiana, Ohio”, disse.

Mais cedo, o democrata Joe Biden pediu paciência aos eleitores.

Ele defendeu a inclusão de cada voto.

“Cada cédula deve ser contada e é isso que veremos. E é assim que deve ser. Não temos dúvida de que quando a contagem acabar, a senadora Kamalla Harrys e eu seremos declarados vencedores. Então, peço que todos fiquem calmos. O processo está funcionando, a contagem está seguindo e ficaremos sabendo logo. Obrigado a todos pela paciência, precisamos contar os votos”, pontuou.

Entre todas as derrotas na Justiça, Trump teve ao menos uma vitória, na Pensilvânia, nessa quinta-feira (5).

Um tribunal de apelação estadual concedeu aos observadores eleitorais republicanos melhor acesso às áreas de contagem de voto na Filadélfia.

(De São Paulo, Narley Resende)