Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Presidente da Anvisa afirma que não houve notificação sobre suspensão de testes da Coronavac

Foto: Reprodução

O diretor-presidente da Anvisa contradiz a afirmação do governo de São Paulo de que não houve uma notificação legal sobre a suspensão dos testes da Coronavac.

Mas Antonio Barra Torres diz que foi, sim, enviado um comunicado às autoridades e também à imprensa:

 

O governo de São Paulo espera que o estudo da Coronavac seja retomado até amanhã depois de prestar esclarecimentos à Anvisa.

A reunião virtual foi realizada na manhã desta terça (10), após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária suspender os estudos clínicos da vacina, ontem à noite, por causa de um evento adverso grave.

Segundo as autoridades paulistas, a ocorrência não ter qualquer relação com a dose e essas informações já estavam nas mãos da Anvisa desde a última sexta-feira (6).

No entanto, de acordo com secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, foi pela imprensa que o Instituto Butantan, responsável pela pesquisa em parceria com a chinesa Sinovac, soube da paralisação:

 

O governo de São Paulo diz que, por questões éticas, não pode revelar detalhes da ocorrência com um voluntário que levou a Anvisa a paralisar os testes da Coronavac.

No entanto, as autoridades paulistas garantem que o chamado “evento adverso grave” não tem qualquer relação com a vacina do Instituto Butantan e do laboratório chinês Sinovac.

O secretário estadual da Saúde, Dr Jean Gorinchteyn, reafirmou hoje que a dose é segura e explicou que a situação notificada à Anvisa é diferente de uma reação à aplicação da dose: