Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Após fechamento de fábricas, Ford diz que novos produtos ainda chegam ao Brasil e concessionárias continuam operando

A Ford garante que os serviços de pós-venda e assistência ao consumidor serão mantidos para os compradores dos carros das linhas Ka, Ka Sedan e Ecosport. Os modelos vão sair de linha com o encerramento da fábrica de Camaçari, na Bahia. Em Horizonte, no Ceará, eram produzidos os automóveis T4, que também deixarão de ser fabricados.

No centro de produção de Taubaté, no interior de São Paulo, que também será fechado permanentemente, eram produzidos motores e transmissões. O dono de concessionárias Ford em São Paulo, Paulo Noronha, afirma que, logo após o anúncio da montadora dizendo que sairia do País, ele preparou um material de orientação aos clientes.

Segundo o empresário, os recém-compradores têm o direito de desistir da compra e ter o dinheiro de volta, mas não há necessidade. Nos fóruns de clientes na internet, umas das preocupações demonstradas foi com uma possível desvalorização dos carros populares.

FOTO: SPENCER PLATT/AFP

Os automóveis maiores, que já eram importados da Argentina, Uruguai e México, por exemplo, devem continuar com preços semelhantes, dentro da competitividade de cada linha. O diretor executivo do Procon de São Paulo, Fernando Capez, diz que eventuais consequências do encerramento da produção da montadora no Brasil podem ser questionadas na Justiça pelos consumidores.

Em nota, a Ford afirmou que novos produtos ainda chegarão ao Brasil, o que indica a manutenção das concessionárias, que devem manter a venda dos veículos importados e livres de taxa de importação pelo Mercosul.

Em carta enviada aos revendedores, a Ford orientou aos concessionários que o cliente que deu sinal em um veículo 0 km pode solicitar o cancelamento do negócio, caso a desistência tenha relação com o fechamento das fábricas. Se isso acontecer, a Ford disse que o concessionário deve “seguir a regulamentação prevista no Código de Defesa do Consumidor”.