Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Israel tem queda de 60 % nas internações de idosos após vacinação em massa

 

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, é vacinado em Israel. FOTO: Reuters

Israel teve uma queda de 60% das internações de idosos. Os dados foram divulgados pelo Macabi Health Care Service e comprovam a efetividade da vacinação. Segundo dados do Ministério da Saúde israelense, 25% da população já tomou uma dose da vacina.

Tel Aviv tem à disposição o imunizante da Pfizer/Biontech e a vacina da Moderna. O primeiro ministro Benjamin Netanyahu tem o plano de reabrir a economia no mês que vem. Além disso, o premiê está de olho nas eleições que serão realizadas no começo de março.

No último domingo (24), os israelenses incluíram jovens de 16 a 18 anos em seu plano nacional de imunização. Segundo o Ministério da Educação, o governo israelense quer agilizar a volta às aulas e a realização de exames. Pessoas de 40 anos ou mais também podem receber as doses.

O país vive o seu terceiro lockdown, mesmo com a campanha de imunização mais rápida do mundo, segundo o site Our World Data, da Universidade de Oxford. Netanyahu anunciou também a suspensão de voos internacionais a partir da desta segunda-feira (25), com o intuito de evitar a chegada de novas cepas do coronavírus.

Segundo Nachman Aish, um dos principais infectologistas de Israel, o país deve estar pronto para outros lockdowns, em virtude das novas variantes da doença que estão se espalhando pelo mundo. Ele acredita que a economia deverá voltar de maneira mais devagar do que o esperado pelo primeiro-ministro.

A empresa americana Moderna, uma das fornecedoras de vacinas para os israelenses, afirmou que duas mutações da Covid-19, oriundas do Reino Unido e da África do Sul, foram neutralizadas em testes de laboratórios. A farmacêutica cogita uma terceira dose do imunizante.