Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Reinaldo Azevedo: Votação no STF teve até mesmo ameaças de guerra religiosa. A que ponto chegamos?

o Advogado-Geral da União e ex-ministro da Justiça, André Mendonça, que também é pastor. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

É óbvio que a votação iniciada pelo Supremo nesta quarta-feira (7) e que será retomada hoje sobre a abertura de templos e igrejas durante a pandemia tem também uma dimensão religiosa e remete a valores assegurados na Constituição. A questão é saber se tais valores estão sendo atendidos ou não.

Importante que se fique claro que o STF é uma casa de leis, não uma igreja. O livro que orienta os ministros há de ser a Constituição Federal e não a bíblia. O nosso Estado é laico, portanto o assunto de forma alguma pode ser pautado por convicções religiosas. Infelizmente, não foi o que se viu ontem durante a votação.

Cristãos estariam “dispostos a morrer pela liberdade de religião”

Aqueles que se posicionaram a favor de reuniões religiosas presenciais nos proporcionaram um festival jurídico grotesco e se ancoraram unicamente em questões de crenças, ignorando o conhecimento científico. O mais exaltado, sem dúvidas, foi o Advogado-Geral da União e ex-ministro da Justiça, André Mendonça, que também é pastor. Ainda que tenha tentado articular sua defesa com valores constitucionais, Mendonça chegou a ameaçar o Supremo e o país com uma espécie de guerra religiosa, ao afirmar que “os verdadeiros cristãos não estão dispostos jamais a matar pela sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”. Sim, o Advogado-Geral da União. A que ponto chegamos?

De fato, o sexto inciso do artigo 5º da Constituição diz que as pessoas são livres para professar a sua fé. Mas o mesmo texto diz que os cultos são regulados por lei. Portanto, a depender das circunstâncias, estes são obrigados a se subordinar a valores coletivos mais importantes em determinado momento, o que acontece agora, quando passamos de 340 mil brasileiros mortos em um ano por uma única doença.

Acompanhe a análise de Reinaldo Azevedo:

O É da Coisa

Gosta dos comentários do Reinaldo? Você pode acompanhar as análises dos principais assuntos do dia feitas pelo jornalista no programa “O É da Coisa”, com Alexandre Bentivoglio e Bob Furuya, de segunda a sexta-feira, das 18h às 19h20, aqui na BandNews FM: