Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Anvisa nega importação de Sputnik V por falta de segurança no imunizante e especialistas concordam com a decisão tomada pelo órgão

Foto: Reuters

Após negar por unanimidade a importação da vacina russa contra a Covid-19, Sputnik V, a Anvisa se deu após o Instituto Gamaleya não demonstrar a segurança do imunizante.

Segundo a Anvisa, há pontos críticos que não foram esclarecidos, como a replicação do adenovírus.

A Agência considerou que o imunizante pode trazer riscos à saúde porque o adenovírus usado para carregar o material genético do coronavírus da vacina seria capaz de se reproduzir e causar doenças.

O vírus modificado, precisa provocar a criação de anticorpos, e não se espalhar pelas células. E segundo a Anvisa os estudos não deixaram claros quais seriam as consequências da expansão do adenovírus.

Segundo o gerente-geral de medicamentos do órgão, Gustavo Mendes, o processo de importação pode ser retomado caso os russos demonstrem mudanças na produção do imunizante.

Sem a Sputnik, estados que já confirmaram a compra de doses aguardam os próximos passos, como a possível judicialização do caso.

Governadores esperam uma decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que é o relator dos pedidos de importação na Corte.

Alguns especialistas defendem a decisão da de negar o pedido de importação da vacina Sputnik V.

O virologista e professor da Univerdade Federal da Bahia, Gubio Soares, conhecido por ter descoberto o Zika Vírus no país, afirma que há motivos, sim, para preocupação com a vacina russa. O infectologista Robson Reis também aponta riscos no imunizante.

Após a declaração da Anvisa sobre a vacina russa, os fabricantes da Sputnik V desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, foram em uma rede social anunciar que denunciariam o Brasil por difamação de sua vacina.

Segundo eles “A Anvisa fez declarações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina Sputnik V” e que a “Sputnik V A Anvisa fez declarações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina Sputnik V”.

Hoje (29) A Anvisa vai transmitir uma coletiva para falar sobre sua decisão as 16h.