Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Reclamações sobre despacho de bagagens sobem quase 90% no ano

Um levantamento do site Reclame Aqui mostra que as queixas com relação ao despacho de malas nas viagens de avião aumentaram quase 90% neste ano. Entre janeiro e agosto de 2017, foram registradas 659 reclamações sobre o assunto; o número subiu para 1.240 no mesmo período deste ano.

As queixas são de passageiros que levaram bagagem de mão e, por algum motivo, tiveram de despachar e foram cobrados por isso. Elas têm como alvo empresas aéreas nacionais e estrangeiras, aeroportos, a Infraero e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) – que, para o presidente do Reclame Aqui, Maurício Vargas, não dão informações claras sobre o assunto.

“Algumas delas têm como causa a falta de conhecimento por parte do consumidor, enquanto outras são causadas pela falta de esclarecimento das regras por parte das companhias aéreas. Num aeroporto é uma coisa, no outro é outra. É preciso ter uniformidade”, diz.

Ida sem taxa e volta com taxa

A designer de sobrancelhas Chris Ladeira teve problemas numa viagem recente de Belo Horizonte (MG) para Londrina (PR). Depois de passar no check-in na capital mineira, foi informada de que poderia seguir diretamente para o portão de embarque.

“Na fila do embarque, um rapaz da companhia aérea falou que minha bagagem estava com tamanho acima do permitido para levar dentro da aeronave. Aí ele disse que iria despachar sem custo para mim.”

Na volta, a história foi diferente. “Na hora de fazer o check-in em Londrina, a atendente disse que tinha de despachar minha bagagem e me cobraria uma taxa de R$ 80. Eu questionei o fato de que, em Belo Horizonte, estava com a mesma mala e não tive de pagar. Ela disse que, se lá as regras não eram seguidas, não era assim em Londrina”, conta.

Para ela, o maior problema foi o fato de cada funcionário dizer uma coisa. “Se em Belo Horizonte o rapaz tivesse me falado que minha mala estava fora do padrão e eu teria de despachar e pagar, talvez eu não tivesse ficado com tanta raiva.”

‘Se preferirem, embarquem sozinhos’

O problema do administrador de empresas Renato Oliveira da Silva também teve a ver com informação desencontrada. Ele comprou passagens para os sogros de Recife (PE) para Manaus (AM) e pagou a taxa de despacho tanto para a ida quanto para volta. Mas o casal de idosos foi cobrado novamente num dos trechos.

“Minha sogra apresentou o comprovante na volta, disse que a taxa estava paga. A atendente disse que não estava paga, e pior: falou para eles que, se não quisessem levar a bagagem, que embarcassem sozinhos.”

As reclamações relacionadas às bagagens são 22% do total postado no site contra companhias aéreas.

Em seguida, aparecem problemas no cancelamento de voo, reembolsos, cobranças abusivas e mau atendimento.