Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Governo federal elevou imposto de cilindros que armazenam gases medicinais, como oxigênio

Dias antes do colapso nos hospitais de Manaus por falta de oxigênio para os pacientes, o governo federal elevou o imposto de importação sobre os cilindros usados no armazenamento de gases medicinais.

Os produtos estavam isentos de tributação desde o início do ano passado, quando o Ministério da Economia lançou um pacote para facilitar o combate à pandemia da Covid-19. Agora, os cilindros voltaram a ser tributados, em resolução publicada pela Câmara de Comércio Exterior.

Foto: Divulgação

Como a maioria dos produtos vem do exterior, muitos importadores estão deixando de trazer os cilindros – afetando o armazenamento de oxigênio e outros gases. Uma fonte da BandNews FM afirma que o preço já estava alto por causa do dólar e, agora, o valor de um cilindro grande, que custava R$ 1.000,00, passou para algo em torno de R$ 1.600,00.

Segundo ele, que traria os produtos da China e tinha um contrato firmado em novembro, a importação ficou praticamente inviável. Atualmente, segundo fontes da BandNews FM, o Brasil tem dois fabricantes dos reservatórios e boa parte da produção é enviada para fora do país.

Em nota, o Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) afirma que, no que diz respeito às reduções tarifárias para auxiliar no combate à Covid-19, delibera com base nas recomendações do Ministério da Saúde, responsável pelo assunto no âmbito do governo federal.

A Câmara de Comércio Exterior também informa que os cilindros de oxigênio voltaram a ser tributados porque o Ministério da Saúde não incluiu o produto em uma lista de itens essenciais para o combate à pandemia.

A BandNews FM procurou o Ministério da Saúde e aguarda uma resposta.

Acompanhe: