Prejudicada pela pandemia no Brasil, Ana Marcela Cunha planeja competir no exterior para “tirar o atraso”


    Eleita seis vezes a melhor atleta de maratona aquática do mundo, Ana Marcela Cunha retomou os treinos no CT do Time Brasil, no Rio de Janeiro, há pouco mais de uma semana.

    A classificação para a terceira Olimpíada da carreira já está garantida. Veio com o quinto lugar no Mundial da Coreia do Sul de 2019, na prova dos 10km, mesma distância da Olimpíada.

    Apesar da reorganização do planejamento, Ana Marcela cita o acompanhamento das adversárias, que já retomaram os treinos por estarem em países com a pandemia do coronavírus sob controle. Mas, a atleta da Universidade Santa Cecília e da Marinha do Brasil afirma que foca apenas nas orientações do técnico Fernando.

    “Eu confio apenas no que o Fernando fala e não fico preocupada. Apenas quero fazer da melhor forma possível para quando chegar na competição a gente realmente avaliar como as minhas adversárias estão. É uma incógnita pensar em algo que não sabemos. Sou muito pé no chão. Confio naquilo que eu estou fazendo”, afirma Ana Marcela Cunha.

    Créditos: Instagram. Ana Marcela Cunha com o técnico Fernando Possenti e o atleta Allan do Carmo durante treino.

    Há duas semanas, o Comitê Olímpico Brasileiro implementou a “Missão Europa”, com o objetivo de proporcionar treinos no exterior em países com menos casos de coronavírus, seguindo os protocolos de higiene e testagem dos atletas.

    Na primeira etapa foram selecionados 74 atletas para treinar em Portugal nas quatro bases do Time Brasil em Portugal – Rio Maior, Cascais, Coimbra e Sangalhos. Segundo o COB, foram realizados 561 atendimentos nas áreas de fisioterapia e massoterapia. Ana Marcela Cunha pretende treinar no exterior para dar continuidade à preparação olímpica.

    “Por mais que os Jogos tenham sido adiados, vamos considerar esse ano um pré-olímpico. Vou competir o máximo que puder apesar de saber que será difícil por causa da pandemia. Fiquei muito tempo sem competir e não é algo bom. No ano que vem, vamos tentar nadar menos. Hoje é difícil criar um calendário e fazer um planejamento porque tudo é incerto. Vamos aguardar as entidades para consolidar as ideias. A Missão Europa vai trazer mais foco e concentração para o treinamento, mesmo com a estrutura que eu já tenho aqui. Estamos esperando bater o carimbo, mas a intenção é viajar e ainda fazer provas em Portugal, Itália e França”, conclui.

    Em entrevista exclusiva ao programa “Na Trilha do Pódio”, da Rádio BandNews FM, Ana Marcela Cunha comentou o momento da natação feminina no Brasil, detalhou a preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, o retorno aos treinos e o papel de toda a equipe multidisciplinar e ainda revela detalhes da rotina no dia da competição.

    Confira a entrevista na íntegra para o programa “Na Trilha do Pódio”:

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Deixe seu comentário!
    Por favor, informe seu nome