Futebol Raiz: Beto Guastali, preparador de goleiros da Ponte Preta

    Foto: Divulgação

    No ano passado, muita gente se surpreendeu quando o técnico Tite convocou Ivan, da Ponte Preta, para amistosos da seleção brasileira. Mas, o preparador de goleiros do clube, Beto Guastali, já sabia que, cedo ou tarde, o atleta receberia essa chance. “O sucesso deles é o nosso também. Fizemos dois bons anos e é gratificante ver o Ivan amadurecendo.”

    Guastali nasceu no município de São Pedro, interior paulista, de onde saiu aos 14 anos para tentar seguir carreira no futebol. Começou na base do XV de Jau, passou por clubes como Flamengo, Portuguesa e pelo Japão. Mas, com pouco mais de 20 anos de idade, teve que parar após levar um chute na face. Passou por cirurgia que durou 12 horas, conseguiu se recuperar, mas decidiu não seguir mais como atleta.

    Logo depois, recebeu um convite para treinar goleiros em um projeto com jovens atletas. Gostou tanto que não parou mais. “Fui ficando mais apaixonado pela profissão. Comecei a pesquisar, ler, bolar meus treinos. Nem pensei mais em voltar a jogar”, conta.

    Como preparador de goleiros, Guastali passou pelo Monte Azul, por outros times do país, até chegar à base da Ponte Preta. Subiu logo para o profissional, implantando um plano de trabalho para os atletas da posição de todas as categorias. “Desde o sub-11, sub-13, sub-15, temos definido qual o perfil que queremos para a Ponte Preta, como se treina a parte técnica para que sigam todos a mesma linha. Não podemos perder tempo”.

    Para o futuro, Beto Guastali sonha em trabalhar fora do país, mas antes, o principal objetivo é levar a Ponte Preta, novamente, para a Série A do Campeonato Brasileiro.

    Ouça mais uma edição do Futebol Raiz com o repórter Arthur Covre.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Deixe seu comentário!
    Por favor, informe seu nome